NÚCLEO  DE INVESTIGAÇÃO PSICANÁLISE E CONTEMPORANEIDADE – N. I.P.C. – Maranhão

Responsável: Thaïs Moraes Correia
Consultora: Analícea Calmon
Periodicidade: terças feiras quinzenalmente, às 20h
Início: 3 de março
Local: Ed. Monumental sala 441b – São Luís MA.

Este ano de 2020  o Núcleo de investigação sobre Psicanálise e Contemporaneidade terá como eixo a Política.  Buscaremos  investigar de que forma a política veicula o gozo em uma era globalizada – da pós-verdade – onde imperam as Fake News, que juntamente com  a queda do falocentrismo, geram uma crise no mundo contemporâneo. Sabemos que o psicanalista ao trabalhar com a política do sintoma o faz para além de seus consultórios, posto que “a análise é a irrupção do privado no público”. Pretendemos estudar uma dos mais obscuras proposições de Lacan que afirma que a “o inconsciente é a política”, o que nos leva à questão de que a dialética do desejo não é individual. Buscaremos investigar de que modo a política é o inconsciente para o senso comum, como nos diz Miller. O analista não visa o poder, mas sim a dimensão do ato, e nesse nível apresenta também a questão o político. Para refletir sobre qual a relação fundamental que o analista têm com a dimensão política, vamos procurar seguir a referência de que urge “alcançar em seu horizonte a subjetividade de sua época”, bem como estar ciente de que “a dialética não é individual”, o que faz  uma referência ao inconsciente estruturado como uma linguagem. Nesse sentido nossa pesquisa visa abordar  que que forma a Psicanálise tem a ver com o laço social – aquilo que faz laço com o Outro e com os outros, o que nos faz deparar a todo instante, com a subjetividade de nossa época.